Primeiro transplante de um órgão sintético

A traqueia foi produzida por cientistas londrinos que o revestiram posteriormente em células estaminais do paciente.

Com um tempo de produção de meros dias, esta traqueia, sendo sintético, não exige um doador e não traz riscos em termos de rejeição.

O professor italiano Paolo Macchiarini liderou a cirurgia pioneira que decorreu no Hospital Universitário de Karolinska.

A chave desta tecnologia consiste em modelar uma estrutura que não é mais que uma réplica exacta da traqueia do próprio paciente, o que elimina a necessidade de um doador de órgão.

Especialistas ingleses receberam scans em 3D do paciente. Usando estas imagens, cientistas do University College em Londres conseguiram manufacturar uma copia perfeita da traqueia do paciente e os dois brônquios principais a partir de vidro.

Esta copia foi depois transportada para a Suécia e mergulhadas numa solução de células estaminais retiradas do paciente.

Em dois dias os milhões de buracos na traqueia porosa foram preenchidos com o tecido do paciente.

O Dr. Alex Seifalian e a sua equipa usou esta frágil estrutura para criar um substituto para a traqueia destruída por um tumor do paciente. Do tamanho do uma bola de golfe e a bloquear a respiração apesar da quimioterapia e radioterapia agressiva, o paciente teria morrido sem este transplante.

Durante a operação de 12 horas, o professor Macchiarini removeu a totalidade do tumor e a traqueia danificada e substitui-a pela réplica.

As células estaminais e células da epiderme tiradas do nariz que também foram implantadas durante a operação conseguiram dividir-se e crescer, tornando a traqueia inerte num órgão indistinguível de um normal.

E ainda, o corpo do paciente aceitou o implante como sendo dele próprio, o que significa que não terá de tomar as fortes drogas anti-rejeição a que outros pacientes sujeitos a transplantes são obrigados.

Esta fantástica inovação foi o primeiro passo naquilo que se espera seja o futuro dos transplantes: órgãos produzidos em poucos dias ou semanas, aceites pelo organismo do transplantado como sendo seu próprio, sem se esperar por um doador.

Leva-nos a pensar mais uma vez nos prós e contraste da investigação com células estaminais…

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s